O final de um ciclo, capítulo Carlos Queiroz

Será que era no seleccionador que habitava o problema?

Concordando ou não com o despedimento, penso que é obrigatório falar um pouco dos últimos anos da nossa equipa lusa, desde Scolari a Queiroz! Carlos Queiroz levou-nos ao Mundial 2010 na África do Sul, primeiro objectivo cumprido. Empatamos a zero com um sempre muito poderoso Brasil na fase de grupos, acabando assim por passar aos Oitavos, segundo objectivo cumprido. Aí, caímos aos pés da Espanha que, curiosamente, é agora a Campeã do Mundo. O ex-seleccionador nacional apresentou resultados sim, não apresentou foi excelentes resultados, mas também não se pode pedir tal coisa quando a diferença de qualidade entre algumas selecções é digna de referência! A forma como ele colocou algumas peças dentro do terreno de jogo e a maneira como encarou o encontro com a Espanha é sempre questionável, mas ele não merecia ter sido tratado assim, não só pelo que já fez pelo futebol português, mas também pelo que representa no estrangeiro, ele é uma grande referência do futebol nacional em vários países e já conquistou títulos bem importantes! Vendo bem a nossa formação, com um meio-campo tão pouco competente e sem um lateral-direito e um ponta-de-lança à altura de uma fase final de um Campeonato do Mundo não há equipa que resista a muito mais.

Queiroz não é o melhor do Mundo nem dos melhores do Mundo como é óbvio! Mas analisando friamente, a nossa selecção a nível de talentos individuais e de processos adquiridos (via clubes) está uns degraus abaixo da que chegou à final do Euro 2004 por exemplo, portanto não é legítimo pedir a Queiroz o mesmo que se pediu a Scolari! Costinha, Maniche e Deco jogavam quase de olhos fechados no meio-campo do FC Porto de José Mourinho e na selecção portuguesa de Scolari. Já para não falar que jogadores como Rui Costa, Pedro Pauleta, Luís Figo, João Vieira Pinto não voltam mais e há que ter consciência do que temos AGORA e do potencial que outras selecções têm também! Olhando, por exemplo, para a selecção espanhola é fácil de entender que a dinâmica utilizada é a dinâmica de um Barça de Guardiola quase imbatível e com princípios e sub-princípios de jogo mais do que assimilados! Neste último Mundial, tivemos em Cristiano Ronaldo, Pepe e Ricardo Carvalho os únicos com o rótulo de "jogador TOP", sendo que depois apareceram duas “surpresas”: Eduardo e Fábio Coentrão! Comparar isto a Xavi, Iniesta, Pedro, David Villa, Fernando Torres, Sérgio Ramos, Piqué, entre outros, é como comparar UHF a Coldplay, algo impensável!

Infelizmente, vai ser bastante difícil voltarmos a viver este tipo de emoções num futuro próximo!

11 comentários:

Paulo disse...

Sinceramente, precisamos de alguem que saiba meter a equipa a jogar, não um gestor para ser selecionador.
Queiroz, se soube-se falar, e não fosse o broeiro que é, poderia muito bem ser o presidente da federação, porque faria o que era preciso para o futebol português, investir nas camadas jovens.
No cargo em que estava, apenas sabia gerir a equipa, e contentava-se com pouco. Não acho desculpa perdoar a derrota com a Espanha com o facto de eles terem ganho o Mundial, pois penso que tinhamos todas as capacidades para vencer.
No entanto, acho que a tua ideia de paciência deveria ter sido cumprida pelo menos até ao fim do Europeu 2012, mas pareçe que a federação não quis dar oportunidade.
Um abraço.

Nuno Greg disse...

Nunca gostei do Queiroz e já ansiava a sua saída a algum tempo.

Concordo contigo principalmente no segundo parágrafo e espero que entre alguém que aposte na formação, pois jovens talentos no futebol nacional não nos faltam.

Um grande abraço.

T Nogueira disse...

Olá Paulo,

Eu não desculpei a derrota com o facto deles terem ganho o mundial, apenas quis dar a entender que, fundamentalmente, eles são melhores do que nós, tanto individualmente como a nível colectivo. O transporte de uma dinâmica clube-selecção é muito importante e quase sempre traz sucesso ao país em questão, pois é complicado para um seleccionador conseguir muita coisa com tão pouco tempo de trabalho, tal como lhe é exigido! E, de facto, a Espanha terá que agradecer e muito a Pep Guardiola!

Um grande abraço

Anónimo disse...

A minha opnião difere um pouco ao que aqui foi escrito em relação ao mundial . Queiroz fez o minimo dos minimos com a nossa selecção. Ele de facto arranjou-nos um enorme defesa esquerdo teve olho para a coisa, mas também " inventou " um trinco sem necessidade alguma . Depois a nossa selecção de facto tinha algumas lacunas do lado direito da defesa, mas porque o seleccionador entendeu que uma boa opção para o lado direito seria um central imagine-se , tendo joão pereira como opção . Depois no meu ver nós temos dos melhores jogadores do mundo . temos dos melhores centrais do mundo ( carvalho, alves, pepe ) , temos dois laterais que sao igualmente dos melhores ( coentrao , bosingwa ) no meio campo podemos fazer um trio fortissimo , com miguel veloso mais atrasado e meireles e moutinho a jogar na linha do meio campo . Extremos os nossos sem duvida são os melhores do mundo nani e ronaldo , e não adianta a inventar posições para o ronaldo ele tem que jogar onde ele gosta de jogar e onde rende mais, pois só assim vamos aproveitar o melhor dele só assim poderá fazer a diferença. Quanto a avançados temos um problema de facto mas não vai ser resolvido com jogadores naturalizados em fim de carreira, apostem em jovens como Orlando Sá , João Silva ( sub 21 ) e assim poderemos ter futuro . Para finalizar queria dizer que ainda estamos no inicio da qualificação , é arranjar um seleccionador competente para ganhar o resto dos jogos de apuramento, e por os jogadores na linha pois jogar sem amor a camisola é que não ! Depois disso acredito que sim , no Euro podemos ser muito felizes ! Um abraço e mais um grande artigo

Vitor

Delantero disse...

Não consigo perceber muita coisa e esta palhaçada é uma delas

O queiroz é um bom treinador que teve ao seu dispor uma boa equipa,nada mais,fez o que podia e quanto à qualidade dos jogadores penso que é o que tu dizes,a passagem da dinamica da equipa para a selecçao é mesmo fundamental

abraço

CátiaMonteiro disse...

Não li o comentário porque futebol não é o meu forte. mas para ti uma paixão, eu conheço-te. . .

dei uma olhadela pelo teu blog esta muito fixe irmão!!! vai vendo o meu, brevemente novos projectos.


um beijinho. LY

Anónimo disse...

Acho que esta segunda passagem de Queirós pela selecção o envergonha, como treinador, mas principalmente como líder de uma selecção do top do ranking da FIFA. Não concordo que se minimizem episódios como o da agressão a jornalistas, entrevistas surreais a jornais, logo desmentidas, a inqualificável linguagem usada com a equipa médica do controlo antidoping. Acho que não se pode ignorar a incapacidade de liderar os próprios jogadores, quer com pré-convocatórias patéticas, também elas logo desmentidas pelas convocatórias que lhes sucediam, mas também pelo que significam as palavras de Ronaldo depois do Mundial, ou o que se passou com Deco, por exemplo. Queirós não foi um líder decente, nem para fora nem para dentro.

A desculpa da derrota com a Espanha já irrita. Alguém se atreve a dizer que o Inter de Mourinho era melhor que o Barça de Guardiola? E no entanto, derrotou-o? E porquê? Porque em Milão teve a ousadia de querer ganhar e jogar para tal. Nunca esta selecção de Queirós teve a ousadia de querer ganhar, excepção talvez ao primeiro jogo com a Dinamarca no apuramento para o mundial, mas foi sol de pouca dura, talvez porque perdemos.

A verdade é que Queirós teve um sucesso nulo como treinador principal, desde os Mundiais de Juniores. A sua carreira na selecção, se alguma coisa mostrou, foi que piorou, como treinador e como líder.

Já vai tarde e não me deixa saudades.

Abraço

RR

T Nogueira disse...

Caro RR,

Estás a comparar coisas que não me parecem muito justas, o Inter tinha um plantel bem melhor do que o da nossa selecção, sendo claro inferior ao do Barça, e o seu treinador não era Queiroz, mas sim o melhor de sempre, José Mourinho! Quantos outros foram capazes de bater o super Barcelona de Pep Guardiola?!

Eu neste artigo referi isso, ele não é dos melhores treinadores do Mundo como é óbvio, mas é competente e merecia outro tipo de tratamento! E quanto à parte do sucesso nulo como treinador principal, ele possui alguns títulos importantes, como por exemplo: Campeão europeu de sub-16 em 1989, duas vezes campeão mundial de juniores, 1989 e 1991, um terceiro lugar no mundial de sub-16 na Escócia, uma Taça de Portugal, uma Supertaça Portuguesa, outra Supertaça do Japão, qualificou também a África do Sul para o Mundial na Coreia do Sul e no Japão em 2002, conquistou uma Supertaça de Espanha pelo Real e tem muitos outros títulos como treinador adjunto!

Este tema é sempre muito controverso e suscita sempre muitos dilemas e pontos de vista diferentes, mas assim é que dá "pica" falar de futebol!

Um grande abraço para todos

Rui Santos disse...

Eu acho que o Carlos Queiroz devia sair do cargo de seleccionador porque não me parece que tenha as qualidades necessários para o fazer mas não merecia, de maneira nenhuma, ter saído da forma que saiu. Não há dúvidas que não o queriam lá mas para mim não faz sentido nenhum terem armado todo este 'esquema' para que ele fosse embora! Merecia mais respeito.

Pudget disse...

Oi Tiago, a troca é sempre bem.vinda entre blogues de qualidade. Vou já colocar o teu na nossa lista.

Cumprimentos!

www.contingentetuga.blogspot.com

Anónimo disse...

concordo com Rui Santos:Carlos Queiroz é um professor, não concordo com tanta ignorancia fpf e secretário do desporto espero que juastiça seja feita rapidamente-Não merecia isto---de
maneira nenhuma, ter saído da forma que saiu. Não há dúvidas que não o queriam lá mas para mim não faz sentido nenhum terem armado todo este 'esquema' para que ele fosse embora! Merecia mais respeito